segunda-feira, 11 de outubro de 2021

Zinder | CRÍTICA (10º Olhar de Cinema)


Co-produção do Níger com França e Alemanha, Zinder vem a tocar numa ferida que assola o país africano há tempos a ponto de tornar a cidade-título como uma "ovelha negra": o fato de o local ser dominado por gangues lá chamadas de "palais". Entretanto, ao contrário da figura do gângster moldado pelo imaginário do entretenimento e jornalismo por décadas a fio, os homens que integram esses grupos não podem ser vistos como assassinos tais como aqueles da máfia italiana foram pintados, mas pessoas que buscam uma chance de sobrevivência perante a aridez e o sufoco sociopolítico.


A cineasta Aïcha Macky toma isso como pauta até mesmo social. Retornando ao seu distrito natal de Kara Kara, Macky concentra a sua câmera no cotidiano dos homens (que adoram levantar peso na academia improvisada), suas famílias, companheiros de luta. Há closes até nas cicatrizes espalhadas por seus corpos, mas o relato aqui está mais próximo da dor do que o orgulho sentido pelas guerrilheiras de Gulîstan: Terra de Rosas (exibido no Olhar em 2015). Boa parte da abordagem também se concentra em mostrar os rapazes em suas investidas para garantir combustível mais barato a ponto de entupir um carro com o máximo de galões possíveis e viajando para fronteiras estando suscetível aos perigos "legais". Em outro momento, um trabalho árduo numa pedreira faz o grupo associar aquilo tudo a escravidão.


Assombrando pelo fato de o palais sair pelas ruas de moto brandindo uma bandeira com o nome Hitler e flâmulas nazistas estampadas (o nome se deu por acreditarem que o sujeito é, na verdade, um "guerreiro americano invencível"…), é uma pena, no entanto, que Zinder seja um documentário cuja forma esteja tão engessada (seria influência dos produtores internacionais?). Com um estilo antiquado a la National Geographic, até mesmo discursos comoventes se tornam dispersivos aqui.




O filme integra a programação da Mostra Competitiva do 10º Olhar de Cinema e também esteve presente no festival Visions du Réel.


Nenhum comentário:

Postar um comentário