segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Um Homem Chamado Ove | CRÍTICA


Baseado no best-seller homônimo do autor Fredrik Backman, dirigido e roteirizado por Hannes Holm, Um Homem Chamado Ove (En Man Som Heter Ove, no original) é um drama sueco entre os indicados ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro (e Maquiagem!), contando a história do cinquentão rabugento Ove (Rolf Lassgård), que se vê afetado pela chegada de novos vizinhos, uma família cuja matriarca Parvaneh (Bahar Pars) conquista o velho pela sua sinceridade descontraída.

Claramente referenciando Forrest Gump: O Contador de Histórias (1994), o filme se desencadeia com o auxílio de flashbacks, responsáveis por apresentar Ove e seu romance apaixonado com a falecida Sonja (Ida Engvoll). Extremamente honesto e obcecado pelo cumprimento de regras sociais, é pela falta da mulher que Ove perde toda sua pulsão de vida, passando a desejar a morte como a um prêmio de consolação.


Dono de uma mise-en-scéne bastante interessante visualmente, o filme possui uma Fotografia coloridamente suave, despretensiosamente encantadora aos olhos. Todavia, Holm peca no roteiro, que acaba por deixar algumas poucas pontas soltas, como a subtrama entre Ove e uma escritora jornalística, apesar de ser bastante eficiente em todo o resto da narrativa quase previsível, como é o caso do desvio explícito ao sentimentalismo exagerado inerente à obra, privilegiando ao máximo a relação do espectador com a trama.

Dramaticamente tímido, Um Homem Chamado Ove também rende boas gargalhadas graças a um humor afiado, além de uma situação rompente que – juro! – tira o chão do espectador despreparado para as desventuras a serem sofridas pelo jovem e velho Ove. Uma pequena produção europeia surpreendentemente singela; gentil e amistoso, bastante diferente de grande parte das obras geralmente indicadas pela Academia na categoria. Nas palavras do próprio diretor, “uma história sobre uma vida; uma jornada entre o riso e as lágrimas, simples como a vida é de fato”. Sem dúvida, um filme para se conhecer.



Nenhum comentário:

Postar um comentário