quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Uma Aventura LEGO 2 | CRÍTICA


Cinco anos se passaram desde que Uma Aventura LEGO empilhou seus bloquinhos nos cinemas e, com o humor reverenciado de Phil Lord & Christopher Miller, vieram dois outros derivados da franquia que, tão repleta de cultura pop, continuou a expandir a marca de brinquedos com histórias acessíveis tendo em mente o valor da amizade e da criatividade em contornar problemas. Agora, na sequência do filme de 2014, existe a auto-crítica de que nem tudo pode ser mais incrível como falava a canção, mas cá estão novamente todas as peças que garantem um entretenimento divertidíssimo para todas as idades.


Desta vez nas mãos de Mike Mitchell (Trolls) com roteiro da dupla Lord & Miller, Uma Aventura LEGO 2 retoma a história de Emmet (Chris Pratt), Megaestilo (Elizabeth Banks), Unigata (Alison Brie), Astronauta (Charlie Day) e Batman (Will Arnett) assim que derrotaram o Senhor Negócios (Will Ferrel) e se depararam com uma nova ameaça: os "inocentes" e coloridos blocos de LEGO Duplo que começam a destruir tudo o que veem pela frente até restar um cenário distópico conhecido como Apocalipsópolis. Muito que inspirado em Mad Max – o que, por coincidência, se faz uma das melhores parte do filme –, é curioso perceber como os personagens e peças vão adquirindo um desgaste enquanto os demais invasores sempre possuem um tratamento especial (até demais) e que se justifica posteriormente, quando o então construtor ordinário Emmet parte em uma viagem "interdimensional" para salvar sua amada e demais amigos.

(© Warner Bros. Pictures/Divulgação)

Com novas e bem-vindas referências às propriedades da Warner e outras tiradas sagazes com ícones culturais como De Volta Para o Futuro e até mesmo com a habilidade de domar velociraptors do personagem de Chris Pratt em Jurassic World, The LEGO Movie 2: The Second Part (título original) se destaca por investir em mais números musicais principalmente quando os novos personagens querem manifestar suas devidas motivações da forma mais melódica o possível, enquanto que a parte que era o metalinguístico ponto de virada no longa anterior ganha até uma "coadjuvante interessante" para frisar que as brincadeiras podem ser compartilhadas sem destruir a dos outros.

(© Warner Bros. Pictures/Divulgação)

Uma Aventura LEGO 2, no final das contas, pode já não ter aquela mesma espontaneidade e até uma certa dose de audácia que era tão gostoso de ver na primeira animação, ainda mais quando boa parte do novo filme se concentra em pregar mensagens de moral que devem ser cansativas até para os pequenos que pouco ouviram falar disso até agora. Considerando que as personagens femininas dão um show a parte e que todo o visual é um espetáculo de verossimilhança que dá até vontade de esticar as mãos para participar dos rumos dessa aventura, o filme é pura descontração.



Nenhum comentário:

Postar um comentário