domingo, 17 de junho de 2018

Ansiosa Tradução | CRÍTICA (7º Olhar de Cinema)


Vencedor do Prêmio da Crítica cedido pela ABRACCINE (a qual não sou afiliado), Ansiosa Tradução foi a obra responsável por injetar o lúdico na Mostra Competitiva do 7º Olhar de Cinema. Dirigido pela filipina Shireen Seno, o longa flerta com o surrealismo enquanto executa uma perspectiva peculiar sobre a infância no país asiático pós-ditadura no final da década de 1980.

A narrativa (também escrita por Seno) se concentra ao redor da menina Yael (Jana Agoncillo, ótima) que, todos os dias após voltar da escola, escuta atenciosamente às fitas mandadas pelo pai há tempos longe de casa, para a infelicidade da mãe (Angge Santos), que busca uns bons minutos de sossego quando volta da rua. Ambas possuem uma boa relação, mas nada além disso; Yael retira os fios de cabelo brancos da cabeça da mãe  (e é recompensada com 25 centavos por fio) enquanto as duas assistem a uma escandalosa novela na TV, porém, aos poucos, a garota vai demonstrando uma impaciência comum da sua idade que ainda leva em consideração a ausência paterna (apesar da camaradagem do tio, interpretado por Sid Lucero) e o incômodo ao ter que dividir a casa com primos e demais parentes. Yael quer se expressar, mas voz de criança nunca teve nem tem vez em roda de adultos.

Curioso pelo bom uso da montagem em alguns pontos-chave na tradução do olhar pueril de uma geração pré-digital que só tinha o telefone para conversar a distância com os amigos, Ansiosa Tradução ainda relembra o impacto das propagandas (por pior que fossem) fazendo a cabeça da garotada em sua inserção no consumismo, sendo o que justa e tardiamente concede uma motivação à protagonista quase após metade da projeção. Embora, assim, Seno acabe pecando por repetir muito da essência dos incidentes até o filme voltar a ser interessante, é inegável que a cineasta tem um dom até mesmo por representar a malícia infantil na tela e, com esse lado sombrio em construção, é possível que tenha um futuro brilhante como realizadora.




Nenhum comentário:

Postar um comentário