sábado, 9 de junho de 2018

A Feiticeira Viúva | CRÍTICA (7º Olhar de Cinema)


Vencedor do Tiger no Festival de Roterdã em 2018, A Feiticeira Viúva (Xiao gua fu cheng xian ji) é o longa de estreia do diretor chinês Cai Chengjie que, munindo-se de elementos fantásticos e do xamanismo oriental, aposta tanto no equilíbrio da tragicomédia como faz um criativo olhar crítico de uma parcela da população rural do país, suas condições socioeconômicas e o constante desrespeito às mulheres que nem mesmo o empoderamento dado pelo misticismo consegue derrotar.

Apresentado majoritariamente com uma fotografia monocromática cujo aspect ratio por vezes favorece a claustrofobia de muitos espaços internos, o filme narra as desventuras de Wang Er Hao (Tian Tian) que, após perder seu terceiro marido, vaga pelos vilarejos junto de seu cunhado de 10 anos e mudo a bordo de uma van e visitando pessoas por quem ainda tem estima, ao contrário de outros homens que apenas querem abusá-la sem qualquer consentimento. Das pequenas gentilezas que Er Hao realiza e, a partir daí, passa a curar e mudar alguns hábitos dos populares, há quem acredite que a moça é uma poderosa xamã. Acatando gradualmente o seu destino, Er Hao sente sua influência crescer por mais que muito de seu "poder" venha de sua esperta lábia e do hábito que passa a vestir e, nisso, há quem queira usar as habilidades da viúva para finalidades injustas.

Ao apostar em diálogos e situações que divertem ao seu modo, Chengjie ainda realiza um ilustre color grading ao destacar alguns elementos coloridos que refletem o estado de espírito das personagens em momentos de aconchego ou até mesmo surreais. Há também um bom trabalho de som que se permite explorar o extracampo uma vez que a decupagem se constitui de planos de câmera fixa e de longa duração que, somados aos ambientes pacatos e outros momentos sem noção, podem dispersar o espectador. Ainda assim, A Feiticeira Viúva é uma bem-vinda surpresa representando o gênero fantástico na Mostra Competitiva da 7ª edição do Olhar de Cinema.



Nenhum comentário:

Postar um comentário