segunda-feira, 27 de abril de 2020

Contos do Loop (1ª Temporada) | CRÍTICA

Jonathan Pryce e Duncan Joiner em Tales From The Loop - Prime Video

Ficção científica é um gênero que tende a cativar seu público na diversão de escapar da realidade (sem deixar de refletir sobre a mesma) apresentando universos inspiradores ou distópicos, ainda que correndo o risco de soarem genéricos demais ao seguirem tendências não muito ilustres. Sendo um rótulo que demanda criatividade constante, é curioso pensar o que seria de Star Wars e Alien, por exemplo, sem os respectivos traços artísticos de Ralph McQuarrie e H.R. Giger para conferir os estilos inigualáveis daquelas produções, o que não quer dizer que sustentavam sozinhos as suas narrativas. Supondo deter um visual icônico o suficiente, Tales From The Loop fica devendo um melhor desenvolvimento narrativo que justifique a sua esparsa minutagem.

Inspirado no livro ilustrado homônimo do sueco Simon Stålenhag publicado em 2015 após uma campanha de tremendo sucesso em crowdfunding, o seriado criado por Nathaniel Halpern (Legion) transfere para os fotogramas digitais as ilustrações que mesclam paisagens interioranas com aparatos hi-tech pelas quais o artista se tornou reconhecido narrando o cotidiano de uma família e aqueles que a circundam na pacata cidade de Mercer quando lidam com aparatos que, na maioria dos casos, desconhecem suas consequências de uso. Ao evocar a tentação das necessidades humanas, os oito episódios se abrem para as reflexões da vida, mas não espere conteúdos com a profundidade de existencialistas como Terence Malick ou Andrei Tarkovsky, embora a fotografia contemplativa e o passo lento da montagem façam de tudo para se aproximar de tais experiências.

(IMDb/Reprodução)

Ao estrear no Amazon Prime Video embalado por uma década favorável para produções do gênero (considerando a aclamação de títulos como A Chegada e o frenesi exacerbado por Black Mirror, diga-se de passagem), a princípio, Contos do Loop parecia ser a resposta da plataforma para Stranger Things, ainda mais que compartilham de uma ambientação oitentista e tudo o mais que isso implica. No entanto, a série que tem produção executiva de nomes de peso como Matt Reeves (The Batman, filmes Planeta dos Macacos) dificilmente se tange à colocar seus personagens jovens em aventuras a la Spielberg contra instituições tecnológicas lideradas por chefões do mal ou endossadas por constantes referências à cultura pop daquela época. Aqui, tal como para os protagonistas de cada capítulo, existe um convite à curiosidade, um chamado instigante para o espectador descobrir junto o porquê de ter um robô desativado ou esferas enferrujadas em meio aos arredores da cidade.

(IMDb/Reprodução)

Entretanto, essa instigação nem sempre funciona. Muitas vezes, vence o espectador pelo cansaço da lentidão em cena e pelo melancólico, todavia belo, tema musical composto por Philip Glass e Paul Leonard-Morgan. "Loop", o episódio inicial dirigido por Mark Romanek (Não me Abandone Jamais), dá à série a sua cadência padrão e estabelece que aquela instituição subterrânea chefiada por Russ (Jonathan Pryce, de Dois Papas, Game Of Thrones e Piratas do Caribe) é a chave para todos os mistérios que hão de envolver a trama adiante, apresentando o curioso garoto Cole (Duncan Joiner) e sua mãe, Loretta (Rebecca Hall, Homem de Ferro 3), cuja visita a uma incógnita do passado a leva a rever o tratamento que dá aos filhos. Para cada personagem e para cada artefato encontrado, há uma moral que tende a ponderar o comportamento humano mediante as supostas vantagens na exposição perante tecnologias em geral.

Rebecca Hall em Tales From The Loop - Prime Video
(IMDb/Reprodução)

Ao contrário do esperado, pouco a pouco, as artes visuais de Stålenhag se tornam um mero pretexto para aquelas histórias admiráveis por sua diversidade, por mais que personagens merecessem um melhor refinamento ou episódios que não beirassem a quase uma hora cada. O restante do time de diretores também é notável e miscigenado, tendo nomes como So Yong Kim, Ti West, Andrew Stanton (Stranger Things, Procurando Dory) e até Jodie Foster (melhor familiarizada no gênero após o episódio "Arkangel" de Black Mirror), sendo estes dois últimos responsáveis pelos melhores capítulos, "Ecoesfera" e "Casa", justamente por evocar mais artifícios cinematográficos impactantes. 

Duncan Joiner em Tales From The Loop - Prime Video
(IMDb/Reprodução)

Introspectiva, mas de alto valor de produção digna de ser assistida (os episódios 3, 5 e 6 nada ou pouco influenciam o núcleo principal), a série pode, enfim, nem estar disposta a conquistar o pódio de fenômeno popular, mas talvez abrir caminhos para se desvencilhar de clichês tão batidos e acometidos à ficção científica, ainda mais quando as grandes franquias querem solucionar ações em cena com estalos de dedos. Tales From The Loop, nesse caso, tem seu mérito por ser irreversível.




Nenhum comentário:

Postar um comentário