sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Steve Jobs | CRÍTICA


Para quem se interessa por tecnologia, em especial os "applemaníacos", a biografia de Steve Jobs se tornou artigo de leitura obrigatória. De seu abandono prematuro da faculdade, onde preferia estudar Caligrafia, passando por sua viagem à Índia e seu temperamento difícil e injusto com colegas de empresa e família, ainda assim, Jobs foi um cara bastante perceptivo e visionário, impulsionando a tecnologia em praticamente todos os setores midiáticos. Se a ideia de mais uma cinebiografia acerca do ex-CEO da Apple, falecido em 2011, parecia exaustiva, a julgar pelo didático Jobs (aquele de 2013 com Ashton Kutcher) e alguns pares de documentários, acontece que o novo longa dirigido por Danny Boyle é um interessantíssimo filme de bastidores com uma abordagem pouco vista que está longe de ser enfadonha.


Depois do premiado comercial "digno de Oscar", mas com suas curiosidades de produção duvidosas, Steve Jobs (Michael Fassbender) está prestes a lançar o superestimado Macintosh que, já em 1984, prometia gráficos superiores aos dos produtos disponíveis no mercado. Um ano, então, bem diferente daquele descrito por George Orwell em seu livro décadas antes. Mesmo com o preço elevado (como sempre...),  isso não parece problema para as centenas de fãs que aguardam ansiosamente o épico lançamento da máquina. Quatro anos depois, expulso da Apple e dono de sua nova companhia, a NeXT, lá estava Jobs para apresentar seu projeto agora concorrente da empresa que ajudou a criar, e, junto com ele, sua fiel braço direito e diretora de marketing Joanna Hoffmann (Kate Winslet), contando também com a presença das centenas de fãs eufóricos, que não hesitam em bater os pés como se fossem presenciar um grandioso show de rock. Não por menos, Jobs estava prestes a apresentar seu computador de design arrojado que buscava ser um cubo visual e milimetricamente perfeito. Em 1998, de volta à Apple Inc. como seu CEO e/ou salvador, Steve dava mais um grande passo no auditório lotado de "applemaníacos", Joanna, Steve Wozniak (Seth Rogen), entre outros, todos para contemplarem o lançamento dos coloridos e potentes iMacs. 

No entanto, quem vê cara, não vê coração. Por trás do perfeccionismo de cada apresentação, onde até mesmo as luzes dos indicativos das saídas de emergência no auditório são apagadas a fim de proporcionar uma surreal e imersiva experiência aos presentes, a atmosfera ao redor de Jobs não é das melhores. Em seu primeiro grande evento, onde prometia mostrar seu Mac falar, tal interatividade não estava saindo como planejado, sobrando tudo para o programador Andy Hertzfeld (Michael Stuhlbarg) que pede à Joanna intermediar e fazer com que Jobs desista da difícil tarefa, mesmo a 30 minutos antes da apresentação. Não o bastante, a visita incômoda de Chrisann Brennan (Katherine Waterston, que já tinha se destacado em Vício Inerente e faz o mesmo aqui) para que Jobs assuma a paternidade da filha, Lisa, e honre seus compromissos, ainda mais com as ações da Apple valendo milhões. Pra piorar, a arrogância do homem explode quando vê que a Time colocou um computador qualquer ao invés de seu conceitual Macintosh na capa da revista que seria distribuída no evento. As meticulosidades não param e assim se sucede nos próximos eventos, onde só mesmo Joanna e Lisa conseguiriam contornar o comportamento difícil de Steve em longas, porém interessantes e produtivas, conversas até o momento de o show começar.



Pensando diferente


Quebrando a obviedade pra lá de cansativa das cinebiografias, com seus movimentos lineares abusivamente explicativos, o roteirista Aaron Sorkin é sagaz ao pontuar o início do filme na primeira parte do auge da carreira de Jobs, como mencionado anteriormente, mas o que não era esperado era o quão inteligentes e ágeis os diálogos seriam, sem esquecer de mencionar sua bagagem cultural nas entrelinhas. Um bom texto, porém, não faz sozinho um grande filme sem a disposição dos atores, e não demoramos a perceber como Winslet e Fassbender se sentem bastante interessados em seus papéis. É com Joanna Hoffmann que geramos maior empatia, não só por ser ela que (quase) consegue controlar Jobs, mas o profissionalismo exigido por seu cargo é digno de respeito, conseguindo ser simpática dos colegas e com a menina Lisa também, uma vez que os pais sempre estão interessados a destruir verbalmente um ao outro. Um papel consistente que a atriz merecia há tempos! 

Representar Steve Jobs não parece ser uma questão de mostrar um misto de arrogância e rispidez descolada e isso Fassbender consegue compreender, lembrando que o cara era ovacionado a partir do momento em que colocava seus pés no palco. Com apenas os figurinos e os cortes de cabelo remetendo ao personagem, o ator se aproveita de seu olhar expressivo (assim como o Jobs original o fazia, a julgar pelas fotos promocionais) e transmite desde a frieza, não se contendo em dizer que o Apple Lisa não fora nomeado em homenagem a filha na frente da mesma, mas pouco depois consegue se mostrar interessado, se não solidário, quanto à esperteza da menina diante de sua criação mais querida. Deixando seu habitual trabalho cômico, Seth Rogen é outro que não passa batido em tela, ainda que apareça bem menos, mas é seu calmo Wozniak que faz uma importante pergunta para um cada vez mais egocêntrico Jobs. Aliás, a inserção da cena dos jovens xarás na garagem como um flashback fortaleceu o sentimento de amizade que, como visto durante o primeiro e segundo ato, sempre esteve no fio da navalha.



Quanto à direção de Danny Boyle, o trabalho é certamente impecável. Utilizando-se da fotografia em 16mm, 35mm e digital, cronologicamente, o diretor compõe as cenas com bastante fluidez, o que colabora para que os diálogos intensos também estejam em movimento, afinal, tratam-se de conversas trocadas horas ou até minutos antes das apresentações. Outro ponto interessante e que gradualmente se desenvolve são o uso de projeções (feitas em pós-produção) em espaços escuros e nas longas paredes de corredores, conferindo ao espectador os acontecimentos posteriores a cada evento, desprezando o recorrente uso de cartelas em biopics. Boyle e Sorkin, também detalhistas, deixam com que suas transições de tempo e elementos nos cenários nos informem apenas fatos relevantes à história. Tudo para engrandecer a experiência.

Deixando a vontade de conhecer mais sobre o restante da trajetória do homem que regeu e tirou o melhor de cada integrante da Apple, o longa prende do início ao fim. Assim como o plano em que o CEO olha para uma mesa iluminada com vários quadrados coloridos e o reflexo nas lentes dos óculos nos mostra o que estava por vir no futuro daquela ocasião, Steve Jobs é certamente um exemplo de filme que faz jus ao caráter visionário de seu protagonista. 




Nenhum comentário:

Postar um comentário