sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Inferno | CRÍTICA


Dono de uma narrativa ágil e repleta em referências culturais, Dan Brown conquistou milhões de fãs ao redor do mundo com seus livros de suspense frenéticos, proporcionando também aos seus leitores viajar pelas páginas com um passeio turístico pelas cidades que abrigam as grandes obras da humanidade retratadas com mistério de sobra. Na bem da verdade, o autor foi sagaz ao se aproveitar de diversas teorias e especulações que circundam a História de uma forma tão envolvente que justifica seu título de autor best-seller, mas foi em Inferno que os padrões narrativos de Brown chegaram ao ápice da previsibilidade e da frustração – e aqui nem mesmo passagens secretas em museus nos salvam do purgatório de uma jornada pouco satisfatória. 

Por incrível que pareça, o filme dirigido por Ron Howard (No Coração do Mar), e com Tom Hanks retornando como Robert Langdon, se mantém acima da experiência literária, embora transponha os mesmos pontos fracos.


De milhares de anos até os dias atuais, a população mundial passou por várias epidemias que, de certa forma, serviram como um controle natural para seu crescimento desenfreado ou uma consequência direta das más condições de vida. Mesmo com tantos avanços alcançados no último século, vírus como o ebola, o HIV, o H1N1 e, mais recentemente, o Zika, ainda colocam a sociedade global em alerta. Diante disso, não faltam rumores sobre o mercado de doenças e vacinas, um cenário do qual Dan Brown aproveita para colocar o antagonista de Inferno, o cientista Bertrand Zobrist (Ben Foster) que, por sinal, é fascinado por A Divina Comédia de Dante Alighieri e crente de que a humanidade é um câncer para o planeta. Obcecado por suas próprias teorias, Zobrist desenvolve um novo e potencial patógeno capaz de reduzir alguns zeros do número da polução nos próximos cinquenta anos; uma ameaça viral cujas pistas deixadas, antes de qualquer ação de organizações competentes, precisarão ser desvendadas pelo renomado professor simbologista.



Langdon, porém, encontra-se em uma situação delicada, preso a um leito de hospital em Florença aos cuidados da Dra. Sienna Brooks (Felicity Jones), além de ter constantes alucinações apocalípticas e não se recordar de como ele foi parar ali. Logo ele, que sempre teve como aliada a sua memória visual que o auxiliou a desvendar tantos enigmas até ali. Se a situação parece inédita até então, é a partir do momento em que Langdon foge com Sienna em prol da própria vida que elementos já vistos em O Código Da Vinci e Anjos & Demônios vem a se repetir agora com uma superficialidade irritante: uma insana assassina terceirizada, agentes de instituições importantes colocando seus interesses corruptos a frente do objetivo principal, guias turísticos que são perguntados em cena para aliviar a sobrecarga de outras informações culturais explicadas pelo protagonista, mais flashbacks expositivos e, como não poderia faltar, as personagens que viram a casaca de súbito só para dificultar a jornada do herói.

Roteirizado por David Koepp, o longa se mantém fiel a muitas passagens originais do livro, algo que, convenientemente, é um aspecto positivo quando se trata de adaptações literárias para o cinema. Diferente do esperado, chega a ser imperceptível o aprimoramento da narrativa, em especial, os diálogos. Seja por puro descaso ou uma possível interjeição de Brown, que atua aqui como produtor executivo, são raros os momentos em que as falas não soam automáticas com um entrosamento frio entre o elenco estelar e, por mais carismático que Tom Hanks seja, seu Prof. Langdon escancara uma decadência lamentável, ainda mais quando encena os lapsos da amnésia com ações tão fracas. 

É como se Inferno fosse relegado a ser o último item na lista de prioridades da equipe e elenco entre tantos projetos e papéis mais relevantes.



Em sua legítima defesa, o filme apresenta sequências divertidas, mais especificamente, quando Langdon e Sienna passam a encontrar as pistas no Palazzo Vecchio até se depararem com o equívoco da máscara mortuária de Dante, provando que Ron Howard, guiado por um roteiro fraco e que se esquece de contar o que houve com o tal Ignazio, demonstra ter uma direção habilidosa com o pouco que tem em mãos, chamando mais atenção pelo seu trabalho ao compor as cenas catastróficas que tanto perturbam o simbologista. Porém, ao investir num terceiro ato que (felizmente) difere daquela abordagem pessimista presente no livro, a ação se revela confusa por mais que o deslumbrante cenário da cisterna indicasse um desfecho apreensivo, reforça estereótipos (precisava mesmo colocar um grupo de turcos agindo como terroristas?), ficando mesmo a cargo da boa trilha de Hans Zimmer fazer milagres pelo que não é sentido em cena.

Para uma série que sempre se valeu em instigar as especulações do quanto aquilo é ficção ou, de fato, verdade, o que se vê em Inferno está longe daquela sensação de atiçar a curiosidade como aconteceu em O Código Da Vinci, e lá os diálogos expositivos eram o de menos. Longe de ser a última aventura apressada do Prof. Langdon, faltou aqui igual fascínio pela simbologia e até mesmo audácia para encarar as polêmicas e abordar sobre uma questão não menos preocupante.




Nenhum comentário:

Postar um comentário