segunda-feira, 31 de maio de 2021

Alice e Peter: Onde Nascem Os Sonhos | CRÍTICA

David Oyelowo em ALICE E PETER: ONDE NASCEM OS SONHOS
 

Na arte do escapismo, não há ferramenta melhor senão a fantasia e seu contorno dos conflitos mundanos que acalentam aqueles que a consomem. Títulos praticamente centenários ainda se fazem vívidos no imaginário popular em decorrência das tantas adaptações feitas ao longo das décadas em diversas mídias e, a partir do momento em que nos é apresentado uma fita chamada Alice e Peter: Onde Nascem os Sonhos, um resgate à velha fantasia do início do século XX soa mui convidativo a todos que já se empreenderam nos clássicos que abarcam os nomes destes personagens-título.


Entretanto, ao contrário do que o título sugere, o longa que traz nomes de peso como Angelina Jolie, David Oyelowo e Michael Caine não é exatamente um crossover direto das famosas histórias escritas por Lewis Carroll e J.M. Barrie. Escrito pela estreante Marissa Kate Goodhill, Come Away (no original) se trata de um conto sobre perdas e como a imaginação pode reparar feridas no âmbito familiar. Acostumados a ler as histórias dos personagens que dão seus nomes, Alice (Keira Chansa) e Peter (Jordan A. Nash) veem seu lar ruir após uma tragédia que também aplaca seus pais, Jack e Rose (Oyelowo e Jolie, respectivamente), e até mesmo a cobrança pelo fim da infância que tanto se antecipava naqueles tempos está no encalço. Pouco a pouco, irmã e irmão parecem ver que muitos das suas passagens favoritas (outras, amedrontadoras) dos seus livros de cabeceira parecem existir no bosque e na sombria Londres.

Angelina Jolie e David Oyelowo em ALICE E PETER: ONDE NASCEM OS SONHOS
(© Imagem Filmes/Divulgação)


Dirigido por Brenda Chapman, mais conhecida pelas animações Valente e Príncipe do Egito, Alice e Peter é um filme que quer falar muito, mas que se atrapalha demais em sua execução de tantos discursos. Há uma ponderação sobre a ascensão dos negros na sociedade inglesa, há subtramas familiares crescentes tal como uma progressiva adesão à melancolia. Dependendo do momento, dá vontade de parar de ver o filme pela metade, isso que nem é um filme tão comprido. A promessa do lúdico se perde mediante o emaranhado de tristezas acumuladas.

Angelina Jolie e Keira Chansa em ALICE E PETER: ONDE NASCEM OS SONHOS
(© Imagem Filmes/Divulgação)

Apesar de um design de produção riquíssimo da veterana Luciana Arrighi (Anna e o Rei, Retorno a Howard's End), Alice e Peter: Onde Nascem os Sonhos não diz muito a que veio, ainda mais quando Angelina Jolie parece tão deslocada em cena (ou talvez seja a sua presença que demande mais do pouco que o roteiro lhe oferece). As cenas que prestam homenagens aos momentos icônicos de "Alice no País das Maravilhas" e "Peter Pan" podem admirar até que bastante por sua beleza e execução passadas tantas releituras, só que isso não é o suficiente para nos tirar de imaginar como tal narrativa poderia ser melhor e, principalmente, reconfortante como se pede.



Nenhum comentário:

Postar um comentário