quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Rodin, Os Meninos Que Enganavam Nazistas e mais bons filmes disponíveis on demand


Uma das vantagens das plataformas on demand é, justamente, ter acesso a bons lançamentos do cinema que, por razões específicas, passaram despercebidos nas telonas ou não chegaram a ficar em cartaz em amplo circuito.

Assim, cinco títulos de nacionalidades diferentes e com boa recepção de espectadores e críticas já estão disponíveis para aluguel e compra nos principais serviços de streaming desde o último dia 14, antecipando um final de semana prolongado onde blockbusters vão dominar o cinema. Confira a seleção!

Um Lugar Silencioso | Filme com Emily Blunt ganha trailer


A Paramount Pictures divulgou hoje o primeiro trailer de Um Lugar Silencioso (A Quiet Place), suspense que conta com Emily Blunt (A Garota no Trem, O Caçador e A Rainha do Gelo) e John Krasinski (Sob O Mesmo Céu13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi) no elenco, além das crianças Millicent Simmonds (Wonderstruck) e Noah Jupe (Extraordinário, Suburbicon).

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Victoria e Abdul: O Confidente da Rainha | CRÍTICA


No alto de seu Jubileu de Ouro, como conta Victoria e Abdul: O Confidente da Rainha (Victoria And Abdul), a longeva Majestade está exausta. Acordar cedo, ser vestida e adentrar os salões dos palácios para cumprir todas as solenidades se tornou uma chatice até chegar a hora de comer e retornar aos seus aposentos, livre das interpelações de sua corte enquanto outro dia não chega. Para uma monarca igualmente rica em cultura, a rotina de realeza morreria em tédio se não fosse pela chegada de Abdul Karim, um jovem indiano designado para lhe entregar uma moeda cerimonial e dali voltar para Agra, mas uma corriqueira (e impensável) troca de olhares faz surgir dali em diante não só uma grande amizade, como um aprendizado mútuo que se figura necessário para a nossa contemporaneidade.

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Arábia | CRÍTICA


Após ter faturado prêmios em festivais voltados ao cinema independente na Europa, na Argentina e ser condecorado como o Melhor Filme da última edição do Festival de Brasília, Arábia marcou a estreia do Festival de Cinema da Bienal de Curitiba com a responsabilidade de sintetizar o que anda em evidência na atual filmografia brasileira ou, pelo menos, em uma considerável parcela desta: um retrato introspectivo que dá voz e cores ao subúrbio em tempos onde políticas recessivas pretendem, acima de tudo, retirar o que lhe é de direito. Em uma narrativa predominantemente verbalizada, o que se vê aqui é um reflexivo road movie sobre um brasileiro que, como muitos, carece do poder de escolha a não ser abraçar o que encontra e, assim, ter a chance e uma motivação para amar alguém.