quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Os Pinguins de Madagascar | CRÍTICA


Quando Madagascar foi lançado, o sucesso, que repercutiu em duas sequências, não se resumiu apenas ao seu quarteto de personagens principais e a grudenta música cantada pelo Rei Julien, mas grande parte dos seus personagens coadjuvantes, em especial os estrategistas pinguins que sempre executam seus planos mirabolantes. Depois de curtas e um seriado para a TV, Os Pinguins de Madagascar (Penguins of Madagascar) chegam aos cinemas acertando seu público-alvo.

Em Pinguins, somos levados a conhecer o passado de Capitão, Kowalski, Rico e o caçula da turma, Recruta, quando ainda eram residentes das geleiras da Antártida e se aventurarem acidentalmente pelo mar até chegarem ao zoológico de Nova York e conquistarem o mundo. Ao celebrarem o décimo aniversário do Recruta, cansados de ouvir 'Eu Me Remexo Muito', os pinguins precisam lidar com uma ameaça esquecida dos tempos de zoo, o polvo Dave e seus vários aparatos tecnológicos – mais parecendo uma sobra de Monstros Vs. Alienígenas.



A corrida para deter o plano maligno de Dave será mundial. Passando por uma divertida escapada em Veneza e alcançando desertos e a Ásia, os pinguins vão descobrir a relevância de Recruta para o grupo, especificamente o Capitão, que gosta de tirar o mérito sempre para si mesmo. Entre piadinhas e ações que já fizeram sucesso na série, um novo fôlego parecia vir de uma nova turma não tão disposta a ajudar as aves antárticas. Os membros da organização Vento do Norte, Secreto, Eva, Pavio Curto (dublado aqui por Gregorio Duvivier) e Montanha entram em cena mais ou como obstáculos, interesse romântico ou puro alívio cômico, perdendo um pouco da graça depois de tantas implicâncias entre Capitão e o lobo comandante.

Praticamente isento da lisergia e das piadas adultas quase descaradas, a produção da Dreamworks Animation parece ter encontrado na fofura a fórmula certa para destinar seu filme especificamente às crianças, suficientemente divertido, mas sem muitas novidades.





Nenhum comentário:

Postar um comentário